MDIC defende maior participação do setor privado em seminário sobre barreiras técnicas

O cumprimento das exigências regulatórias (técnicas, sanitárias e fitossanitárias) é, hoje, o principal fator para o acesso a terceiros mercados. As medidas podem incidir sobre diversas etapas do processo produtivo e, apesar de possuírem objetivos legítimos, como a proteção da vida, muitas vezes são utilizadas para provocar restrições ao comércio.


Preocupada com os possíveis custos de produção dos setores afetados por essas barreiras, a Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), por meio do Departamento de Relações Internacionais e Comércio Exterior (Derex), realizou na manhã desta quarta-feira (23/3) o Seminário de Barreiras Técnicas ao Comércio.


Durante o evento, as analistas de Comércio Exterior do Ministério de Desenvolvimento, Indústria e Comércio (MDIC) Juliana Ghizzi Pires e Lúcia Darós pediram uma maior participação do setor privado quanto à identificação de barreiras técnicas ou qualquer irregularidade encontrada na hora de exportar.


Já o chefe da divisão de Superação de Barreiras Técnicas do Inmetro (Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia), Rogério de Oliveira Corrêa, e o analista da Unidade de Acesso à Inovação e Tecnologia do Sebrae (Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas), Hulda Oliveira Giesbrecht, falaram sobre os processos de certificação de produtos e adequação a exigências técnicas.